Português Italian English Spanish

Governo de SP conclui restauração do Museu da Língua Portuguesa

Governo de SP conclui restauração do Museu da Língua Portuguesa


Próximos passos são escolha de nova museografia gestão do espaço; custo foi de R$ 81,4 milhões e reinauguração será em junho de 2020

O Governador João Doria e o Secretário de Cultura e Economia Criativa Sérgio Sá Leitão anunciaram, no dia 16 de dezembro, em visita ao Museu da Língua Portuguesa, a finalização da obra de restauro e readequação interna do imóvel. Localizado no antigo prédio da Estação da Luz, o Museu foi destruído por um incêndio ocorrido em 2015.

“O Museu da Língua Portuguesa será ainda mais interativo do que já foi, isso cativa pessoas. Crianças, jovens e adultos, inclusive as pessoas com deficiência terão aqui a oportunidade desta interação. A tecnologia ajuda e contribui com a inclusão”, destacou o Governador. Em quase 10 anos de funcionamento entre 2006 e 2015, o Museu da Língua Portuguesa recebeu cerca de 4 milhões de visitantes.

Agora começa a etapa antes da reinauguração, que inclui a instalação da museografia e a seleção da organização social responsável pela gestão. O evento de reabertura está previsto para ocorrer em 25 de junho de 2020. Trabalhadores da obra, parceiros e professores serão convidados a visitar no dia 26, e a abertura para o público em geral será no dia 27.

“Nós teremos aqui um Centro de Referencia e Estudos da língua portuguesa. Então teremos não apenas uma área voltada ao público em geral, mas também um espaço para pesquisadores, estudiosos e outro para debates e seminários sobre a língua portuguesa e a diversidade cultural como temas principais”, disse o Secretário Sá Leitão.

A restauração do Museu da Língua Portuguesa abrangeu serviços de recuperação de fachadas e esquadrias e reconstrução da cobertura e espaços internos. Também foram realizadas ações de conservação da cobertura da Ala Oeste, que não foi atingida pelo incêndio.

A área ocupada pelo Museu foi expandida. A readequação interna inclui novos espaços, como um café no terraço com vista para o Parque da Luz e integração dos pátios laterais, que darão acesso aos saguões e a local em que é possível observar a Estação da Luz.

 

 

Reforço contra incêndio

O restauro trouxe melhorias de infraestrutura e segurança contra incêndios, como a instalação de sprinklers (chuveiros automáticos). O museu também terá certificação ambiental e atenderá de forma mais ampla a acessibilidade.

As diretrizes de sustentabilidade pautaram toda a obra, com foco na obtenção do selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) – um dos mais importantes do mundo na área de construções sustentáveis – na categoria Silver.

Entre as medidas estão a adoção de técnicas para economia de energia na operação do museu; a gestão de resíduos durante as obras; e a utilização de madeira que atende às exigências de sustentabilidade (certificada e de demolição).

Para a construção da nova cobertura, foram empregadas 89 toneladas (67 m³) de madeira certificada proveniente da Amazônia.

A reconstrução foi aprovada e acompanhada de perto, em todas as etapas, pelos três órgãos do patrimônio histórico: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan); Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat); e Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).

Parceria

A reconstrução do Museu da Língua Portuguesa é uma iniciativa do Governo de São Paulo em parceria com a Fundação Roberto Marinho e tem como patrocinador master a EDP; como patrocinadores, o Grupo Globo, o Grupo Itaú e a Sabesp; e conta com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e do Governo Federal, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. O custo total do restauro foi R$ 81,4 milhões.

“É política desse governo ampliar a participação privada na cooparticipação, no coogerenciamento operacional dos instrumentos culturais que temos. E tem funcionado muito bem. Para citar um exemplo, o MIS Experience nós criamos e constituímos um novo museu sem recursos públicos. Hoje, o MIS Experience é uma realidade”, afirmou Doria.

“O Museu da Língua Portuguesa, agora reconstruído, retoma sua vocação de espaço de educação por excelência, em que patrimônio histórico, experiências museológicas e ações educativas se complementam e se comunicam para celebrar nosso maior patrimônio imaterial, o nosso idioma”, diz Lucia Basto, gerente geral de Patrimônio e Cultura da Fundação Roberto Marinho.

“A conclusão da obra de reconstrução do Museu dentro do prazo previsto é motivo de orgulho para a EDP, que, sendo uma empresa portuguesa, tem um vínculo especial com este projeto e desde o início se comprometeu em viabilizar a devolução deste espaço cultural à sociedade. Estamos entusiasmados para que a população possa conhecer o novo MLP, que, quando for reaberto, trará experiências inéditas, sem perder de vista a interatividade que o transformou em sucesso de público”, afirma Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil.

Experiências inéditas

O Museu da Língua Portuguesa celebra o idioma como elemento fundador e fundamental da nossa cultura. Por meio de experiências interativas, conteúdo audiovisual e ambientes imersivos, o visitante será conduzido a um mergulho na história e na diversidade do nosso idioma.

Em sua expografia renovada, o Museu terá experiências inéditas, como “Línguas do Mundo”, que destaca 20 das mais de 7 mil faladas hoje; “Falares”, que traz os diferentes sotaques e expressões no Brasil; e “Nós da Língua Portuguesa”, que aborda sua presença no mundo, com a diversidade cultural da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Permanecem no acervo experiências de grande comunicação com o público, como a instalação “Palavras Cruzadas”, que mostra as línguas que influenciaram o português no Brasil; e a “Praça da Língua”, espécie de “planetário do idioma’” que homenageia o português escrito, falado e cantado, em um espetáculo imersivo de som e luz.

Isa Ferraz, que realizou a curadoria do Museu da Língua Portuguesa em 2006, ocasião de sua abertura, e Hugo Barreto, que integra agora a equipe responsável pela museografia, formam a equipe de conteúdo da instituição.

Museu em atividade

Ao longo do primeiro semestre de 2020 serão realizadas atividades culturais com o objetivo de manter o museu em comunicação com o público antes de sua reabertura. Entre as ações está o Programa Educativo Escola, Museu e Território, envolvendo escolas e instituições culturais da região.

Implementado no segundo semestre de 2019, o Programa rearticulou o diálogo com jovens, educadores e vizinhos. As atividades – incluindo curso de formação para professores de escolas públicas da região – ajudarão a compor o programa educativo do Museu após sua reabertura.